Eu não consigo te deixar ir

Reviro na cama buscando pela melhor posição para os cinco minutinhos que me restam antes de ter de levantar com o despertador bagunçando meus pensamentos. Quatro da manhã. Rolo de um lado pro outro e suspiro profundamente porque eu sei que não vai dar, o relógio parece estar mais rápido e não vou ter tempo suficiente pra descansar um pouco mais, mas no fundo isso não faz diferença. Já são seis e meia e eu nem preguei o olho. Eu não conseguiria voltar a dormir nem que eu me esforçasse o bastante pra isso, nem se ainda restasse o dia inteiro e não houvesse nenhum compromisso demarcável. Ansiedade batendo na porta. Ainda tá escuro lá fora. Tá vazio demais e eu só consigo sentir essa angústia consumir o meu corpo, meu sono e a minha vontade de sair daqui, e quando eu digo “aqui” não é da cama que eu to falando.

Continuar lendo